sábado, 30 de junho de 2012

Renúncia



Renúncia

Chora de manso e no íntimo... Procura
Curtir sem queixa o mal que te crucia:
O mundo é sem piedade e até riria
Da tua inconsolável amargura.
Só a dor enobrece e é grande e é pura.
Aprende a amá-la que a amarás um dia.
Então ela será tua alegria,
E será, ela só, tua ventura...
A vida é vã como a sombra que passa...
Sofre sereno e de alma sobranceira,
Sem um grito sequer, tua desgraça.
Encerra em ti tua tristeza inteira.
E pede humildemente a Deus que a faça
Tua doce e constante companheira...

(Manuel Bandeira)

3 comentários:

Anônimo disse...

Esse poema é simplesmente maravilhoso...Teu blog ta lindo parabéns continue sempre assim Déia esse finalzinho deste poema é lindo d+++... E pede humildemente a Deus que a faça
Tua doce e constante companheira...Amei tudo aqui e prometo que volto...Bjus minha amiga

Pedro Luiz Da Cas Viegas disse...

Simplesmente belo.

Pedro Luiz Da Cas Viegas disse...
Este comentário foi removido pelo autor.