domingo, 6 de fevereiro de 2011

DIZER, SIMPLESMENTE...


Já fui de esconder o que sentia, e sofri com isso. Hoje não escondo nada do que sinto e penso, e às vezes também sofro com isso, mas ao menos não compactuo mais com um tipo de silêncio nocivo: o outro, que confunde, o silêncio a fim de manter o poder num relacionamento. silêncio que tortura o Falar o que se sente é considerado uma fraqueza. Ao sermos absolutamente sinceros, a vulnerabilidade se instala. Perde-se o mistério que nos veste tão bem, ficamos nus. E não é esse tipo de nudez que nos atrai. Se a verdade pode parecer perturbadora para quem fala, é extremamente libertadora para quem ouve. É como se uma mão gigantesca varresse num segundo todas as nossas dúvidas. Finalmente, se sabe. Mas sabe-se o quê? O que todos nós, no fundo, queremos saber: se somos amados.



Tão banal, não?



E no entanto essa banalidade é fomentadora das maiores carências, de traumas que nos aleijam, nos paralisam e nos afastam das pessoas que nos são mais caras. Por que a dificuldade de dizer para alguém o quanto ela é - ou foi - importante? Dizer não como recurso de sedução, mas como um ato de generosidade, dizer sem esperar nada em troca.



Dizer, simplesmente.



A maioria das relações - entre amantes, entre pais e filhos, e mesmo entre amigos - se ampara em mentiras parciais e verdades pela metade. Pode-se passar anos ao lado de alguém falando coisas inteligentes, citando poemas, esbanjando presença de espírito, sem ter a delicadeza de fazer a aguardada declaração que daria ao outro uma certeza e, com a certeza, a liberdade.



Parece que só conseguimos manter as pessoas ao nosso lado se elas não souberem tudo. Ou, ao menos, se não souberem o essencial. E assim, através da manipulação, a relação passa a ficar doentia, inquieta, frágil. Em vez de uma vida a dois, passa-se a ter uma sobrevida a dois. Deixar o outro inseguro é uma maneira de prendê-lo a nós - e este "a nós" inspira um providencial duplo sentido. Mesmo que ele tente se libertar, estará amarrado aos pontos de interrogação que colecionou. Somos sádicos e avaros ao economizar nossos "eu te perdôo", "eu te compreendo", "eu te aceito como és" e o nosso mais profundo "eu te amo" - não o "eu te amo" dito às pressas no final de uma ligação telefônica, por força do hábito, e sim o "eu te amo" que significa: "Seja feliz da maneira que você escolher, meu sentimento permanecerá o mesmo".



Libertar uma pessoa pode levar menos de um minuto. Oprimi-la é trabalho para uma vida. Mais que as mentiras, o silêncio é que é a verdadeira arma letal das relações humanas.


5 comentários:

Bel Bezerra disse...

Olá Déia,

Também adorei seu blog e esse post está tudo de bom ! É isso aí, nada de ficar em silêncio e deixar a mágoa, o ressentimentos e outros sentimentos nocivos entrarem na gente,isso não nos pertence.
Me visite sempre, é um prazer tê-la como seguidora, também estou te seguindo.
Um beijo na alma.
Namastê
Bel Bezerra

Anônimo disse...

Boa noite Déia, minha cara...sinto,mas não consigo dizer nada...minha garganta fechou... e foi impossível não conter a emoção."Dizer simplesmente é tudo que estou sentindo no silêncio do meu ser. Simplesmente obrigado...

Déia disse...

Que bom que vcs gostaram fico muito feliz,as vezes o silêncio nos machuca,fere.Por não terem coragem de dizer o que realmente sentimos,temos que ter coragem p/ isso não acontecer as vezes agente se sente fraca por não dizer o que nos machucar tanto, ou por dizer a verdade de medo...Obrigada a vcs e volte sempre é um grande prazer ter vcs aqui no meu cantinho....Bjus

Anônimo disse...

Dei uma volta e não consegui ir muito longe... precisava voltar...
"Hoje não escondo nada do que sinto e penso, e ás vezes também sofro com isso..."

Tem pouco tempo que comecei essa experiência...
E com certeza sofri.Porque era mais fácil ocultar e oprimir meus sentimentos e pensamentos. Mas antes eu tinha medo de perder. Ainda tenho, mas agora não me nego mais a pensar que nao tenho nada que seja meu de verdade. Tudo que é me dado é por empréstimo.
E por saber que Deus me empresta tudo que amo naõ posso esconder o que penso ou que sinto.Enquanto tenho por perto. Mesmo que pareça equívocado, mesmo que pareça piegas, mesmo que pareça insignificante... Porque o que sinto e o que penso sou eu. Simplesmente eu.
Mas os sentimentos e pensamentos ruins me atormentam porque são consequências do que as vezes me provocam a ser. Me desculpe minha amiga se pareço perdido. Um abraço amigo.

DÉIA disse...

Que perdido quem tem Deus nunca esta perdido,vc me tem agora tb pode contar sempre comigo...Tudo que tiver ao meu alcance pode ter certeza que estarei ai segurando sempre sua mão...Deus é maravilhoso ele não faz nada por acaso pode ter certeza disso.Um dia vc vai me dar razão sobre tudo isso amigo pode ter certeza...Bjus